Get Adobe Flash player

Leia a Obra

Leia a Obra

Arquivos

BLINK, A DECISÃO NUM PISCAR DE OLHOS – Escrito por Edilson Pinto

“Um morto despertou os vivos” (Carlos Lacerda)
Blink! E num piscar de olhos, vi na minha frente: Guimarães Rosa, Lulu Santos e o filósofo grego Heráclito. O primeiro, no seu Grande Sertão: Veredas, que disse: “A vida não é entendível; viver é negocio muito perigoso”; o segundo canta até hoje, em verso e prosa, que “Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia: tudo passa; tudo sempre passará”; e o terceiro que filosofava na Grécia antiga ensinando: “É impossível banhar-se duas vezes no mesmo rio”… Pois é caro leitor, é inútil querer entender esse mundo e os seus habitantes.
Mas, mesmo assim, sem entender o mundo, temos que admitir que o ser humano é realmente fantástico, e é inegável que Deus estava muito inspirado, quando pegou um monte de barro e fez dele a sua maior obra, com um cérebro e essa coisa chamada de inconsciente adaptável, que foi muito bem descrita, no livro BLINK, do autor Malcolm Gladwell: “A única maneira pela qual os seres humanos poderiam ter sobrevivido como espécie por tanto tempo é que eles desenvolveram um tipo de dispositivo para tomada de decisões, capaz de fazer julgamentos muito rápidos com base em muito poucas informações… O inconsciente adaptável faz um excelente trabalho de avaliar o mundo, alertar a pessoa em caso de perigo, definir metas e iniciar a ação de maneira sofisticada e eficiente”.
Pois bem! Entre uma piscadela e outra dos meus olhos, foi inevitável, diante dos últimos acontecimentos não pegar o livro “Depoimentos” de Carlos Lacerda, e abrir no capítulo XII: “Na noite de 23 para 24 de agosto, estávamos em casa de Joaquim Nabuco… abriram champanha, começamos a comemorar. Soubemos que Getúlio já tinha renunciado àquela altura. Até que, já de manhã, não me lembro bem a hora, alguém telefonou anunciando o suicídio. É evidente que houve aquele momento assim, de não sei bem como definir o sentimento, em todo caso, não era de alegria; era um sentimento de pena do homem, da tragédia humana, da tragédia pessoal do homem, de imaginar a agonia em que um homem deve estar para chegar a dar um tiro no coração… para quem tivesse um mínimo de sensibilidade, via que o que tinha acontecido no Brasil era o que aconteceu no drama de Shakespeare – Júlio César. A mesma multidão que aclamava Brutus e os assassinos de César, quando Marco Antônio fez seu discurso com o cadáver nos braços, começou a pedir a morte dos que tinham matado César. Foi assim que passei de vítima a assassino de Vargas”…

Tudo isso aconteceu há sessenta anos, em 1954. E não se espante, caro leitor, que estejamos vivenciando tudo novamente. Nietzsche e o seu cérebro privilegiado, de inigualáveis aforismos, já tinha nos alertado: “Esta vida, como você a está vivendo e já viveu, você terá de viver mais uma vez e por incontáveis vezes; e nada haverá de novo nela, mas cada dor e cada prazer e cada suspiro e pensamento, e tudo o que é inefavelmente grande e pequeno em sua vida, terão de lhe suceder novamente, tudo na mesma sequencia e ordem – e assim também essa aranha e esse luar entre as árvores, e também esse instante e eu mesmo. A perene ampulheta do existir será sempre virada novamente”.
E de repente, a perene ampulheta do existir virou mesmo. Dor, prazer, suspiro, pensamentos e acordamos com a notícia; “O avião caiu. Eduardo Campos morreu!”. Tudo como se fosse orquestrado pelo maestro chamado destino. Maktub! No mesmo dia da morte do seu avô Miguel Arraes; morre o neto, candidato do PSB a presidência da república. E é sempre no mesmo mês de agosto. Desgosto, tristeza, comoção, perplexidade e uma enorme de uma certa incerteza: “O mistério está em toda parte”. E quem se atreverá a desvendar o futuro a partir de agora?! Quem?!

Futuro que já é presente, ou melhor, já virou passado. E tudo corre e chega tão rápido, que pisco os meus olhos novamente e vejo os números 13 e 12. Não sou muito bom em matemática. Mas, graças a Deus, que esses cálculos são possíveis de serem feitos por qualquer pessoa: 13 do PT; 13 é o dia da morte de Eduardo Campos. 12 anos de governo do PT (oito de Lula e quatro de Dilma); 12 é o capítulo do livro de Lacerda que está sendo reescrito agora… Longe, muito longe, de querer comparar Marina Silva com um Marco Antônio, mas a morte de César – assim como a de Getúlio Vargas e agora a de Eduardo Campos-, é capaz de promover mudanças inesperadas e inimagináveis nas nossas vidas. E tudo que se ver não é igual ao que a gente viu há um segundo…

Em 12 dias, Marina Silva saiu de 21% para 34%. Subiu 13 pontos e iguala aos índices da presidente Dilma. E no segundo turno, o estrago é ainda maior: “O país já não está diante de uma ‘onda Marina’ – afirma o jornalista Josias de Souza, no seu blog-, Mas assiste ao surgimento de um Tsunami eleitoral”.

Blink! Pisco os olhos mais uma vez. E escuto Carl Orff e o seu “Carmina Burana”: “Oh, Fortuna/ És como a lua/ estado variável/ Sempre crescendo ou decrescendo”… e tudo muda mesmo o tempo todo no mundo… mais uma piscadela, e vejo a mensagem no WhatsApp, do meu colega de turma Fábio Marcelo: “Pinto! O homem faz planos, mas tudo está no controle de Deus. Se tiver de ser, ninguém vai impedir”…

Blink, blink, blink. Pisco os olhos e corro em direção a minha biblioteca. Abro a página 39, do Grande Sertão: Veredas e vejo a profética mensagem do amigo Guimarães Rosa: “Deus é traiçoeiro! Ah, uma beleza de traiçoeiro – dá gosto! A força dele, quando quer – moço!- me dá o medo pavor! Deus vem vindo: ninguém vê. Ele faz é na lei do mansinho – assim é o milagre. E Deus ataca bonito, se divertindo… Viver é negocio muito perigoso!”…

Francisco Edilson Leite Pinto Junior – Professor, médico e escritor