Get Adobe Flash player

Leia a Obra

Leia a Obra

Arquivos

O PONTO, AFINAL – Escrito por Míriam Leitão

O colapso do governo Dilma suscita uma questão fundamental. Ela fracassou por uma incapacidade pessoal ou porque do ideário de esquerda faz parte o desprezo pela responsabilidade fiscal e o descuido com a inflação? Se o desrespeito aos limites dos gastos for inerente à esquerda brasileira, então todas as vezes em que eles subirem ao poder o país terá com o quê se preocupar.

O ajuste fiscal não é um fim em si mesmo. Ele se dispõe como caminho para um projeto, seja ele conservador ou progressista, ou o nome que se dê aos conceitos da velha dicotomia política. Durante toda a sua vida partidária, o PT demonstrou não ter entendido o valor da estabilidade fiscal que foi parte determinante de uma conquista cara ao povo brasileiro: a moeda estável.

Para chegarmos ao real, o Brasil atravessou 50 anos de taxa anual de dois dígitos, uma escalada inflacionária e, no fim, um processo agudo de hiperinflação. Foi um sofrimento longo e que pesou mais sobre os mais pobres. Ainda assim, o PT jamais se uniu aos esforços pela estabilização. Condenou cada uma das medidas para organizar as contas, sanear bancos que tinham sido usados pelos políticos e ter um ordenamento fiscal. O partido classificou tudo de “neoliberal”. Votou contra o real, disse na eleição de 1994 que o plano fracassaria, entrou no STF contra a Lei de Responsabilidade Fiscal. Mudou o discurso para ganhar a eleição, mas nunca se convenceu de que a estabilidade é um patrimônio. A crise de 2008 foi o pretexto perfeito para eles voltarem às suas crenças econômicas de ampliar os gastos públicos e expandir a presença do Estado mesmo em áreas em que melhor seria deixar com a iniciativa privada.

O PT explica o que houve nas contas públicas afirmando que aumentou as despesas para financiar políticas de transferência de renda para os mais pobres, habitação popular, financiamento estudantil. Isso não é verdade à luz dos números. Os dispêndios com subsídios a empresários foram muito maiores do que as despesas com os programas sociais. O Fies ficou insustentável não pelo subsídio dado aos estudantes pobres, mas porque o programa cresceu oferecendo financiamento à classe média e permitindo aos grandes grupos educacionais um faturamento garantido. O BNDES financiou as grandes empresas independente de sua qualidade ou importância. A Petrobras perdeu receitas porque o governo quis garantir gasolina mais barata para os donos de automóveis.

Mesmo se fosse verdade, e o PT tivesse ampliado as despesas apenas para transferir renda para os mais pobres, não seria a política certa. O desequilíbrio fiscal desorganiza a economia e neste cenário os que mais sofrem são os mais pobres, sempre. Não faz sentido uma política econômica que desorganiza as finanças públicas, porque o resultado disso sempre será inflação, recessão e desemprego.

O que aconteceu agora foi que a política econômica do PT erodiu a estabilidade fiscal do país jogando-o numa crise dolorosa. Agravou o quadro o fato de a presidente ter uma incapacidade pessoal de gestão. A presidente Dilma não apenas errou na administração do país. Como, por temperamento, é pessoa que não ouve o contraditório, rejeitou as críticas.

Hoje Dilma vive na confortável situação de ser pedra e não vidraça. E faz críticas como se não tivesse havido o ontem, tempo no qual ela plantou a crise que hoje destrói empresas, empregos e receitas. O país encolhe, retrocede, enquanto Dilma no conforto pago por todos nós, com assessores também pagos por nós, faz cobranças ao governo como se não tivesse nada com o atual estado da economia.

No resto do mundo há partidos de esquerda que entenderam que a estabilidade fiscal não é de direita e sim condição necessária para o sucesso de qualquer projeto. Quem foi eleito com o discurso anti-austeridade acabou negando as promessas que fez, como acaba de acontecer na Grécia e na França. O ideal seria se, ao final desse processo, o país tivesse partidos de esquerda que tenham finalmente entendido que desorganizar as contas públicas não é meramente um erro contábil, mas sim um risco para a permanência de qualquer política pública. Por enquanto, o PT não dá o menor sinal de que entendeu onde foi afinal que ele errou na economia.